segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Resenha: Eu, Robô


Eu, Robô
TÍTULO: EU, ROBÔ
AUTOR:  ISAAC ASIMOV
EDITORA: ALEPH EDITORA
PÁGINAS: 320
NOTA: 

 


SINOPSE: 
'Eu, robô' reúne os primeiros textos de Isaac Asimov sobre robôs, publicados entre 1940 e 1950. São nove contos que relatam a evolução dos autômatos através do tempo, e que contêm em suas páginas, pela primeira vez, as célebres 'Três Leis da Robótica' - os princípios que regem o comportamento dos robôs e que mudaram definitivamente a percepção que se tem sobre eles na literatura e na própria ciência.




Desde Robbie, um robô babá pertencente a uma garotinha, até um robô "escondido" como humano, Isaac Asimov começa sua história com os robôs com nove contos muito bem elaborados, interligados e narrados. Narrados por Susan Calvin, psicóloga de robôs aposentada e que trabalhou sua vida inteira para a U. S. Robots, uma fabricante de robôs para ajudar humanos em vários tipos de atividades. Cada um sobre as três leis dos robôs (algo muito bem planejado por Asimov).

 1 - Um robô não pode ferir um ser humano ou, por omissão, permitir que um ser humano sofra algum mal.
2 - Um robô deve obedecer às ordens que lhe sejam dadas por seres humanos, exceto nos casos em que tais ordens contrariem a Primeira Lei.
3 - Um robô deve proteger sua própria existência, desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira e a Segunda Lei.
   
Desde Robbie temos robôs de vários tipos e que davam certa "dor de cabeça" tanto a Susan, quanto a seus companheiros de trabalho. Robôs que controlam naves, robôs mentirosos - o melhor conto do livro, na minha opinião -, robôs camuflados como humanos - o conto que fecha o livro -, robôs que raciocinam incrivelmente rápidos e resolvem questões, e humanos que são totalmente dependes dos robôs.
 Leitor de primeira viagem de Asimov, achei a história perfeita e instigante. Motivo para ter que ler outros livros do autor, que são muitos.
Primeiramente, achei que os robôs seriam meus personagens favoritos, mas estava enganado. Susan foi a pessoa que mais me chamou atenção - sempre amo os personagens mais velhos, principalmente os mais fofinhos e que sempre estão superiores a outros, como Susan. Mesmo sendo, as vezes uma personagem chata para os outros  - se eu a conhecesse pessoalmente a odiaria - Susan é uma pessoa que sempre achou que os robôs tinham algo de especial. E como psicóloga dos mesmos, claro que ela esteve envolvida em todos os contos (com exceção do primeiro), sempre ajudando a entender o que os robôs estavam fazendo, o que sentiam - afinal em um dos contos conhecemos um robô com sentimentos -, e a "solucionar" os casos.
Claro, tivemos outros personagens marcantes, outros que me conquistaram bastante, como os amigos apresentados no segundo conto e que agora me fugiram os nomes.
Algo que esperei bastante foi uma 'revolta' por parte dos robôs. Ao decorrer dos últimos contos, percebi que isso não iria acontecer. Porém, os robôs evoluiram, adquiriram novos conhecimentos e se tornaram a "sustentação" dos humanos, que a partir desse ponto precisam dos robôs para praticamente tudo.
Logo, Eu, Robô é um livro para quem gosta de mistério, robôs, logicamente, e ação, claro.
Espero que tenham gostado e até a próxima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário